Powered by Max Banner Ads 

Camurupim em rios e lagos

Apesar de ser um dos peixes esportivos mais abundantes no Nordeste, o camurupim ainda é um espaço a completar no álbum das espécies almejadas por grande parte dos que arremessam suas linhas nessa região do país. Chega a ser surpreendente perceber quantos pescadores ainda não experimentaram o prazer de duelar com esse animal maravilhoso, que proporciona um verdadeiro espetáculo com seus saltos e nos faz sentir um misto de adrenalina e contemplação. Por isso, ao final dessa matéria, esperamos trazer aos nossos leitores as informações necessárias para deixá-los um pouco mais próximos do momento da fisgada e do clique que eterniza em foto a lembrança da emoção vivida.

Nícolas Sato e seu pim capturado na lagoa do Araçá

A princípio, é importante saber que o camurupim pode ser capturado tanto em rios e lagoas como em água salgada. Na verdade, é possível encontrar esse tipo de peixe virtualmente em qualquer rio que tenha ligação com o mar. O interessante, como em qualquer pescaria a ser feita em local que ainda não conhecemos, ou cujas espécies de peixe não temos certeza de habitar, é perguntar aos que freqüentam o pesqueiro. Alias, um ponto que deve ser levado em conta, é a resistência do camurupim às agressões do homem. Por isso, conseguimos pescá-lo mesmo em rios urbanos com elevado índice de poluição.

Camurupim capturado na bacia do Pina

Um exemplo disso pode ser observado no Recife, onde encontramos camurupins tanto no rio Capibaribe quanto na Bacia do Pina, locais fortemente marcados pela presença humana e a seqüelas ambientais decorrentes dela. Nesse tipo de pescaria, apesar da grande quantidade de peixes, nos deparamos com sacos plásticos, lixo doméstico, e todo tipo de desperdício lançados pela população diretamente nas águas ribeirinhas. Sem dúvida um ponto negativo para a prática do nosso hobby. Mas vamos à pescaria propriamente dita.

Fora da água salgada os camurupins geralmente não chegam ao seu tamanho máximo (que pode superar os 150kg) e é mais comum capturar exemplares entre dois e 10kg. O que não quer dizer que não seja possível se deparar com um peixe muito maior do que a média. O “rei prateado” pode ser fisgado com uso de iscas artificiais, Fly, iscas naturais vivas e, mais raramente, com iscas naturais mortas. Nas linhas abaixo falaremos das modalidades com artificiais e iscas vivas, visto serem as mais eficientes para este espécime.

 

Iscas Naturais Vivas

O engodo que vai na ponta do anzol pode variar de um lugar para outro em nossa região e depende muito do alimento que o peixe está acostumado a encontrar. Por isso vamos resumir a duas opções que nos servem, tanto pela facilidade em obter quanto pela eficiência em atrair esse peixe: o camarão vivo e o guarú – que nada mais é do que a denominação geral para pequenos peixes presentes na margem do próprio local de pesca. O guarú pode ser adquirido com uso do gererê – artefato que consiste de um aro geralmente metálico atrelado a uma rede de malha fina – ou até mesmo por meio dos caiçaras locais.

O sistema utilizado é o de arremesso com bóia montado com um girador amarrado a linha que sai do molinete ou carretilha, uma bóia com chumbo para lastro e uma pernada de comprimento variável com um anzol na ponta. O modelo depende da preferência de cada pescador, mas é extremamente importante que esteja bem afiado, pois a boca do camurupim é muito dura e um anzol velho certamente resultará em uma diminuição das capturas. Recomendamos os tamanhos 2/0, 3/0 ou de acordo com a dimensão da isca que se vai utilizar. Outro ponto vital é utilizar um anzol resistente, já que não é incomum perder o peixe pela abertura de material de qualidade inferior.

Dito isso, é só colocar a isca, o camarão fisgado pelo chifre e o guarú pelo dorso ou pela parte superior da boca e realizar o arremesso. Deixe a bóia ser levada pela correnteza, recolha e arremesse novamente de tempos em tempos de modo que a isca percorra uma quantidade significativa do pesqueiro em busca do troféu. Mas fique atento. Quando o peixe ataca, a bóia some repentinamente da flor d”água e o pescador dever realizar a fisgada rapidamente sob pena de perder o peixe num momento de descuido.

 

Iscas Artificiais

Talvez seja a modalidade mais prazerosa para fisgar o “rei de prata” porque permite arremessar a isca “na cara do peixe” quando ele sobe a superfície. Sim, muitas vezes é possível visualizar a nadadeira dorsal do camurupim cortar a água, denunciando sua presença e a direção em que está seguindo. É nesse momento os pescadores de artificial arremessam as iscas imediatamente à frente de onde o camurupim aflorou e realizam o trabalho na expectativa de sentir o ataque do torpedo prateado.


Para os que nunca tiveram a oportunidade de digladiar com esse espécime, vale uma regra geral, procure escolher iscas pequenas, entre seis e nove centímetros, pois são as mais efetivas. Evidentemente, é possível fisgar o peixe com outros tamanhos de plugs, mas as ações tendem a aumentar dentro dessa faixa de comprimento. Em alguns locais o camurupim ataca bem na superfície e torna possível uma pescaria quase que exclusiva com esse tipo de isca. Em outras localidades as iscas de meia água são mais indicadas. Por isso vale a sensibilidade do pescador para encontrar a profundidade onde os peixes estão mais ativos.

Se tivéssemos que optar por apenas dois tipos de iscas para capturar os camurupins certamente a escolha mais indicada para nossa caixa seria o Popper e o conjunto de shad acoplado ao jig head. O popper, entre seis e oito centímetros, na maioria das vezes é a escolha inicial da pescaria por favorecer os ataques na superfície que tornam a briga com o peixe ainda mais interessante. Apenas para servir de referencia, citamos as iscas Vulcan 70 (7cms e 12g) e Speed Pop 80 (8cms e 9,5g), ambas da Marine Sports. Os poppers devem ser trabalhados com um toque curto e firme de ponta de vara fazendo a isca espalhar água pela superfície. Para o camurupim o trabalho deve ser lento, algo como um toque a cada dois segundos.

Já os shads mais indicados medem 3”, ou seja, 7cms, preferencialmente na cor branca. O peixinho de silicone pode ser acoplado a jig heads de pesos variáveis, entretanto uma boa medida são as cabeças de chumbo com 14gr e anzol 3/0. Assim como com os poppers, o recolhimento deve ser lento, combinado com um ou dois toques ocasionais.

Tenha nervos de aço, pois o camurupim erra com bastante freqüência o ataque a isca. Isso, muitas vezes, nos faz dar uma ferrada prematura, tirando, literalmente, o plug da boca do peixe. Não é incomum ver o peixe errar quatro, cinco, seis vezes o ataque ao peixinho de plástico e, ainda assim, continuar a perseguir a presa. Uma idéia que deve ficar na mente de quem pretende capturar essa espécie é o fato de vermos o peixe estourar a água enquanto fazemos o recolhimento de linha, inclusive tocando a isca, mas sem colocá-la na boca. Por isso é possível sentir pequenas pancadas enquanto o camurupim persegue nosso engodo. O ideal é realizar a fisgada na hora em que se sente a linha “pesar”. Entretanto, infelizmente, só a pratica ensina o momento correto.

Por falar em fisgada, esse é outro ponto fundamental para conseguir posar com o camurupim na foto. Sua boca é formada por placas ósseas que dificultam bastante a penetração do anzol. Por isso, além de contar com o equipamento o mais afiado possível, como já foi mencionado, devemos realizar uma ferrada vigorosa, tanto para a pescaria com artificiais quanto no caso das iscas vivas. E não apenas isso. Outro detalhe importante é realizar uma segunda e, até mesmo uma terceira, ferrada para confirmar o peixe na linha.

Entretanto, isso não deve ver feito de maneira aleatória. Quase sempre após a primeira fisgada, o “rei prateado” salta da água tentando se desvencilhar do anzol. É nessa hora que a maioria dos exemplares escapa. Porém, se o peixe deu seu primeiro salto ou mesmo se não saltou após a fisgada inicial, dê uma nova puxada firme para diminuir a probabilidade de fuga do torpedo. Vale lembrar que, mesmo usando todas as técnicas listadas acima, até o mais experiente dos pescadores ainda perde uma quantidade considerável de peixes dessa espécie em meio às piruetas que o camurupim performa sobre a água durante a briga.

 


5 Comentários para “Camurupim em rios e lagos”

  • NicoSato:

    Show de bola, Caco.
    Parabéns pela belíssima matéria!

  • Fabiana Albério:

    Concordo plenamente. Parabéns amor!

  • Igor Tamura:

    Ai Caco..
    show de boa a matéria!!!
    parabéns

  • Cássio Monroe:

    Ja tive a oportunidade de fisgar dois tarpons em um pesqueiro, usei de isca peixinhos conhecidos como cará, mas eu não tinha bagagem nenhuma, estava com uma linha fina e um anzol pequeno, talvez tamanho 15, foi só aquele baita rebojo e a linha quebrando.

  • Romulo silva:

    eu já tive a oportunidade de pesca alguns camurupim é realmente uma ótima pesca melhor ainda é quando a pessoa ver que ele esta ferrado e ele dar autos saltos isso é que maravilhoso parabéns pelas fotos.(OBS pesquei na lagoa do araça.

Deixe um Comentário

Sobre o autor

Caco Marinho

Caco Marinho
Jornalista e apaixonado pela pesca esportiva 
Curta
Seções
Cadastre-se
E-mail:
Estado:
Cidade:
Código:
 
Mapa dos Visitantes
Plugin from the creators of Macbook :: More at Plulz Wordpress Plugins