Powered by Max Banner Ads 

O fim da mazela invernal

O inverno é ingrato para os pescadores nordestinos. Chuva, vento, temperatura mais baixa, fazem os peixes sumirem do mapa. Mesmo assim, a vontade fala mais alto, arriscamos uns arremessos e até conseguimos realizar boas pescarias nesse período complicado. Mas eis que chega setembro. Mês saudado pelos conterrâneos como a abertura oficial da temporada de pesca. Pelo calendário o inverno perdura até o próximo dia 21, mas já é possível perceber mudança nas condições climáticas.

 

Com menos chuvas e aumento da temperatura os peixes do Nordeste ficam mais ativos, se alimentam mais e atacam com mais voracidades as nossas iscas. O vento fica mais brando e ajuda a manter as linhas esticadas, melhora o desempenho no arremesso e deixa a pescaria mais agradável. Setembro chega trazendo promessas de boas pescarias, maior quantidade de peixes e exemplares mais robustos .

O começo do mês ainda traz uma pontinha do inverno, mas que gradualmente vai se despedindo da nossa região, trazendo o calor e a expectativa de grandes duelos até o verão do próximo ano, que termina no dia 21 de março. Depois, resta aos pescadores uma espécie de hibernação, que termina novamente com o fim do período chuvoso do inverno de 2012.

Aos amigos leitores, a Revista Pesca Nordeste deseja ótimas pescarias. Aproveitem com vontade a melhor época de pesca em nossa Região.

 

Tucunarés na barragem do Prata

Às vezes, quando estamos em casa impossibilitados de pescar por qualquer motivo que seja, costumamos aplacar nossas vontades por meio dos programas sobre o assunto ou através da pesquisa de vídeos na internet. E, quase sempre, entre uma imagem e outra, encontramos os ataques explosivos do tucunaré na superfície.  Isso nos deixa com uma pontinha de inveja e nos faz almejar essa pescaria que é tão comum para os amigos que a praticam mais para o sul do Brasil. Entretanto, o que muitos desconhecem é que o tucunaré é um peixe comum também no Nordeste.

Primeiros vislumbres da barragem. Paisagem sertaneja tranquila e agradável.

Para mostrar que os tucunas estão mais pertos do que se pensa, fomos até a barragem do Prata, localizada em Bonito, Agreste pernambucano. A represa tem capacidade para 43 milhões de metros cúbicos e conta com águas cristalinas quase o ano todo, o que a torna excelente para a prática da pesca esportiva. No local é possível pescar das margens, entretanto o uso de pequenos barcos torna o acesso aos melhores pontos muito mais confortável. É comum ver pescadores de Caruaru, cidade próxima, navegando pelo espelho d’água nas tradicionais chatas de alumínio, mas também é possível fretar canoas de madeira dos caiçaras locais.

Vegetação submersa chamada pelos pescadores de "coentro" atrapalha

Fizemos uma pescaria exclusiva com iscas artificiais e, mesmo em um dia considerado fraco, ainda conseguimos fisgar alguns bonitos exemplares. O nível da água no lugar estava um pouco abaixo do esperado o que fez a vegetação do fundo, conhecida popularmente como “coentro”, ficar mais perto da superfície. Isso prejudicou o uso das iscas de barbela e jigs que acabavam se enroscando nas plantas e perdendo o trabalho ideal. Mesmo assim, alguns pontos estavam livres desse problema e nos serviram bem durante nossa investida.

Jorge Thiago posa com o primeiro do dia.

Na barragem do Prata além da traíra, encontramos o tucunaré amarelo, espécie que pode atingir um tamanho considerável e conhecido pela sua resistência à tração do pescador. De fato, já foram fisgados exemplares pesando cinco quilos. Briga boa pra ninguém botar defeito. A nossa pescaria começou pouco movimentada, as iscas quase sempre se prendiam no “coentro” durante o trabalho e arrastavam um pedaço da vegetação. Ao tira-las da água era preciso remover as plantas das garatéias e, após um tempo, o procedimento acabava por irritar o pescador. Entretanto, foi só aparecer o primeiro peixe para a animação tomar conta de todos. O trabalho da Aile Magnet, fabricada pela Duel, foi irresistível e terminou com a captura de um tucuna com pouco menos de um quilo, mas que já exibia a protuberância na cabeça apelidada pelos pescadores de “cupim”, um indicativo de que o peixe está no período reprodutivo.

Marcos Renner e o peixe que deu trabalho

Depois de fotografar e soltar o animal, continuamos a pescaria. Após alguns arremessos, ouve-se o grito:

-Peguei. Esse é grande

Porém, quase imediatamente, vem a voz:

-Largou… Pegou de novo.

Um grande tucunaré havia atacado a isca de um dos convidados na pescaria, uma wave 80, da Marine Sports, sem, no entanto ser fisgado. Imediatamente após o ocorrido, um pequeno tucuninha atrevido deu o bote no plug de meia-água e acabou posando para foto no lugar do que seria o maior peixe do dia.

Em seguida, outro tucunaré fisgado deu um baita trabalho para ser embarcado, não pelo seu tamanho, mas porque foi mais esperto que o pescador e conseguiu se entocar entre a vegetação da barragem. A retirada demandou muita mão de obra e foi preciso desenrolar a linha das plantas com cuidado para evitar que o animal fosse machucado. Porém, após alguns minutos de esforço, o bicho saiu para a foto. Perto do lugar, uma nova captura e a alegria estampada no rosto pela satisfação de poder observar de perto as cores desse peixe.

No final da pescaria na barragem do Prata ainda é possível usufruir da estrutura rústica, contudo agradável, de alguns barzinhos que ficam às suas margens e oferecem petiscos e bebidas diversas a um preço bem acessível. Sem dúvida uma bela pedida para aqueles que desejam se aventurar na captura desse belo e valente animal que é o tucunaré.

Por falar em tucunaré, vale deixar claro que a barragem do Prata não é a única em Pernambuco a abrigar essa espécie. Na verdade, quase todas as principais barragens do Estado contam com esse animal. Só para exemplificar podemos citar algumas mais próximas da capital, Duas Unas, Bita e Tapacurá. Então fica a dica de ótimos locais para aqueles que ainda não tiveram a chance de fisgar esse tipo de peixe.

Jorge Thiago e um dos três peixes capturados por ele. Todos foram soltos.

Roteiro – Vindo por Recife, segue-se pela BR 232 até a cidade de Bezerros onde se toma o girador em direção a PE 103 rumo a cidade Camocim de São Felix. Em seguida vem a cidade de Bonito e de lá se chega a Alto Bonito, local onde fica a Barragem do Prata. A maior parte do caminho conta com estradas em condições adequadas. A exceção é um pequeno trecho entre os distritos de Bonito e Alto Bonito, onde o pavimento está em péssimo estado e demanda um pouco de paciência do motorista para atravessá-lo. Porém, de modo geral o caminho é bastante tranquilo e, até mesmo no trecho mais complicado, a bela paisagem agrestina praticamente nos faz esquecer a buraqueira que se assoma a nossa frente.

 

Camurins no rio Timbó

Pesqueiro próximo à capital pernambucana rende belos exemplares

O camurim é um dos peixes mais cobiçados pelos pescadores esportivos de todo o Brasil. Seja pela dificuldade em sua captura, por ser conhecido como um peixe “manhoso”, ou seja pela plasticidade de suas formas e a marcante linha lateral que o caracteriza. Além disso, exemplares adultos podem bater a marca dos 20 kg, um motivo de peso para estimular os esportistas a perseguir o seu troféu.  O espécime pode ser encontrado tanto em água salgada, quanto subindo os rios em meio aos manguezais, por isso escolhemos um pesqueiro ideal para mostrar a efetividade das técnicas utilizadas para fisga-lo.

O ponto selecionado foi o rio Timbó, um pequeno curso de água com cerca de 10km de extensão que desemboca na bela praia de Maria Farinha, no município de Paulista. O local é indicado tanto para pescaria embarcada quanto para a modalidade de barranco. Optamos por fazer nossos arremessos das margens, visto ser a situação praticada pela maioria dos pescadores. O método usado foi o de chicote com bóia e camarão vivo, talvez a técnica mais tradicional para esse tipo de peixe.  Fizemos ainda pinchos com as artificiais e o resultado você confere nas linhas a seguir.

Antes de qualquer coisa, é sempre bom conhecer o lugar onde se está pescando. Numa primeira incursão convêm perguntar aos frequentadores mais assíduos particularidades da região como tipos de peixes, formações rochosas, fundo e outros pormenores que só a experiência ajuda a entender. Foi o que ocorreu nessa pescaria. Através do conhecimento de pescadores locais pudemos fazer um breve mapeamento da área de pesca, fundamental para o aumento da produtividade. Na ocasião, a “descoberta” de uma grande zona de pedras submersas foi o detalhe que fez toda a diferença no número de capturas.

A pesca de camurim com camarão vivo é extremamente simples e até mesmo um pescador iniciante consegue praticá-la com bons resultados. Entretanto existem alguns segredinhos que podem passar despercebidos a quem não está atento. O sistema é montado com um anzol, normalmente o chamado anzol de camurim (wide gap) ou um maruseigo número 18, por exemplo, atado a uma pernada com aproximadamente um metro e meio de monofilamento, um pequeno peso oliva de lastro, a bóia e, por fim, um girador amarrado à linha que sai do molinete. É importante que a linha do anzol seja um pouco robusta, uma 0,60 mm, para evitar o rompimento com o atrito da serrilha existente na boca do peixe.

As alterações da maré ao longo do dia fazem com que a profundidade local mude constantemente.  Então é necessário ajustar a altura da bóia de tempos em tempos para que a isca atinja o ponto onde os camurins estão. Outro detalhe importante é aproveitar a correnteza para carregar a isca ao longo do pesqueiro. O ideal é fazer o arremesso no sentido contrario ao fluxo de água e deixar a bóia ser trazida de volta. Assim a isca pode “varrer” uma parte significativa do rio aumentando a chance de encontrar um peixe à procura de alimento.

Falamos do sistema, da isca e do método. Agora está mais do que na hora de lançar as linhas na água e começar a pescaria propriamente dita. O primeiro peixe do dia foi capturado pelo pescador Fernando Rego. O segundo também. E terceiro… E o quarto… O homem estava iluminado.  Mesmo com um número considerável de praticantes dando pinchos no rio só ele conseguia tirar os peixes. Outros pescadores também usavam camarão vivo de isca, com a bóia sendo levada pela correnteza, mas apenas Fernando Rego capturava os camurins. Coisas de pescaria. O curioso é que, enquanto o exemplar era registrado em fotos, pescadores que estavam próximos começaram a explorar o lugar onde o peixe havia sido fisgado embora sem sucesso.  E bastava o nosso sortudo Fernando lançar o seu material que a bóia afundava mostrando mais um camurim na linha. Certas vezes as inúmeras bóias paravam enfileiradas lado a lado em um pequeno remanso na água e era só o equipamento do Fernando Rego se aproximar para o peixe atacar e ser fisgado. Dessa forma foram capturados os quatro camurins do dia. “Percebo minha bóia afunda com força, em seguida, o tranco na vara. Pense numa emoção, era o primeiro camurim. Arremesso novamente e, apos alguns segundos, a bóia afunda, outro tranco e mais um Camurim. Logo me perguntaram qual o anzol, a linha que usava e a altura da bóia. Observei que onde eu arremessava todos faziam a mesma coisa, parecia um trenzinho de bóias, uma atrás da outra. Levei outra pancada. Dessa vez percebi que era maior, adrenalina a mil”, resume Fernando Rego.

Algo imprescindível para praticar a pesca nesse rio é o uso de um calçado com solado resistente. A primeira vista pode parecer estranho a ideia de se usar sapatos em uma pescaria desse tipo, mas o lugar esconde um perigo para o qual toda precaução é pouco. O local é lar de um peixe venenoso, o niquim, que pode transformar o momento de lazer em um verdadeiro suplício. Para mais informações consulte a matéria “Niquim, o perigo oculto”.

Bônus - O rio Timbó é um excelente pesqueiro e, além do camurim, podemos encontrar pescada amarela, caranha, meretes, camurupim e espada. O editor desta publicação não resistiu à tentação de dar seus arremessos e também conseguiu seu peixinho usando iscas artificiais. Com uma toc toc de 9 cm da Mustad e realizando trabalho lento de zara fisgou uma pequena barracuda na superfície.  Um fato curioso e divertido acompanhou essa pescaria. Durante cerca de meia hora um socozinho, pássaro comum no litoral nordestino, se encarapitou em um galho de onde visualizava os arremessos e, cada vez que o trabalho de zara começava, ele se lançava em um mergulho violento sobre a isca causando um estardalhaço enorme na água. É claro que isso acabou com a pescaria, mas não deixou de ser engraçado ver o animal alçar voo do manguezal onde se instalou para perseguir o plug de plástico que “nadava” a flor d’água. Vale deixar claro que a ave em momento nenhum se machucou e saiu completamente ilesa do embate com o peixe de mentira.

 

Roteiro:

Exibir mapa ampliado

Sobre o autor

Caco Marinho

Caco Marinho
Jornalista e apaixonado pela pesca esportiva 
Curta
Seções
Cadastre-se
E-mail:
Estado:
Cidade:
Código:
 
Mapa dos Visitantes
Plugin from the creators of Macbook :: More at Plulz Wordpress Plugins